Caprichoso triunfa no 57º Festival de Parintins e conquista o tricampeonato

Com o tema “Cultura – O Triunfo do Povo”, o Touro Negro da América venceu a por um décimo de diferença e conquistou pela segunda vez o título de tricampeão do Festival de Parintins 2024

O povo azulado triunfou! De forma inédita, o Boi-bumbá Caprichoso vence o 57º Festival Folclórico de Parintins e conquista o tão sonhado tricampeonato (2022/2023/2024) com o tema “Cultura – O Triunfo do Povo”.

O resultado foi anunciado após a apuração das notas dos jurados realizado na tarde desta segunda-feira (1º), no Centro Cultural de Parintins, mais conhecido como Bumbódromo de Parintins (distante a 325 quilômetros de Manaus).

O resultado final do festival ficou em 0000,0 para o Caprichoso, e 0000,0 para o Garantido.

Confira as notas parciais:

1ª Noite: Caprichoso venceu com 419,8 contra 419,7 do Garantido.

2ª Noite: Caprichoso empatou com Garantido com 419,8 pontos cada.

3ª Noite: Caprichoso empatou com Garantido com 419.7 pontos cada.

As três noites do espetáculo

O Caprichoso já abre a primeira noite de apresentações com o subtema “Raízes: o entrelaçar de gentes e lutas”, para celebrar as origens do boi da Francesa. Do alto do guindaste, a monumental alegoria do artista Roberto Reis, responsável pela lenda “A Dama da Noite” não surpreendeu somente pelo tamanho, mas pelo momento em que a cobra boiúna foi içada por um gavião, subiu mais de 30 metros do chão com a cunhã-poranga, Marciele Albuquerque, que durante a evolução para os jurados se transmutava em serpente. A apresentação encerrou com o ritual indígena “Mothokari, a fúria do sol” com participação do líder indígena, escritor e xamã, Davi Kopenawa Yanomami, 68 anos.

No segundo ato no sábado (29), com o subtema “Tradições: o flamejar da resistência popular”, o bumbá apresentou uma noite das tradições: festa, povo e histórias que compõe o boi e a história de Parintins. O Caprichoso com o rosto pintado de efun, junto do tripa Alexandre Azevedo, entrou primeiro na arena para evoluir como o Málùú Dúdú, o boi agbara. A Figura Típica Regional, “O pescador da Amazônia”, alegoria assinada pelos artistas Márcio Gonçalves e Marlúcio Pereira, 46 anos, surgiu para celebrar o caboclo que vive da pesca e do manejo. A falange de jacarés do ritual “Mística Marubo” encerrou a segunda noite do boi Caprichoso neste com a alegoria assinada pelo artista Kennedy Prata, 38 anos, impressionando pela transformação de Vimi Peya, xamã Marubo, em falange de jacaré para, em um segundo momento, emergir a maloca profunda da alegoria, com jatos de água que inundaram a Arena. A noite também foi marcada pelas coreografias.

“Rito de Cura da Terra: Awa Guajá” fechou a terceira noite de apresentação do boi Caprichoso na madrugada desta segunda-feira (1º). A noite foi marcada por tecnologia nas alegorias com luzes de led, projeções holográficas no chão da arena, assim como nas alegoria. O boi da Francesa apresentou a reedição do Ritual da Vida (1998). Angela Mendes, filha do seringueiro, sindicalista e ativista político, Chico Mendes, ao lado de José Tupinambá entraram na arena com o relógio do clima que marcava 5 anos, 21 dias, e 11h59. O pajé Erick Beltrão cantou a toada Unankiê: um lamento amazônico (1994) para convocar os povos originários a dançar. A reedição do Ritual da Vida contou com uma imensa tarântula que desceu do céu e em uma teia pegou indígenas para completar o rito.

por A Crítica

Compartilhe :

WhatsApp
Facebook
Telegram
Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas notícias
Categorias

Subscribe our newsletter

Purus ut praesent facilisi dictumst sollicitudin cubilia ridiculus.