Laudo confirma que ossada encontrada em área de mata é de bebê da jovem Débora, morta por Gil Romero

Débora foi encontrada morta em agosto deste ano, no bairro Mauzinho, e os restos do bebê foram encontrados em novembro. Gil Romero, o pai da criança e autor do crime, está atualmente preso

A ossada de uma criança encontrada próximo ao local onde Débora da Silva Alves, 18, foi encontrada morta em agosto, é do pequeno Arthur, segundo laudo pericial do Departamento de Polícia Técnico-Científico (DPTC), que foi informado aos pais da jovem, morta por Gil Romero, que permanece preso.

Em entrevista à TV ACRÍTICA, Paula Christina disse que a confirmação da morte do neto, é um alívio e agora espera que Gil Romero responda pelo crime de duplo homicídio.

“O Arthur não era mais um feto, ele era um bebê saudável. Se ele morreu, foi porque ele (Gil) matou, assim como matou a minha filha. Eles não mereciam morrer assim, eu só quero Justiça e que ele pague por essas duas mortes”, disse a mãe bastante emocionada.

A mãe lembra que a família nunca acreditou na versão dada por GIl Romero, que tinha confessado o crime e dito que havia jogado o filho no meio do Rio Negro, no Porto da Ceasa. Na época, a família de Débora acreditava que ele teria poupado a vida da criança.”Esse homem acabou com a minha vida, se hoje em dia estou de pé, é porque ainda tenho três filhos. Só quero que ele pague, quero justiça!”, finalizou Paula.

Encontro da Ossada

Parte da ossada foi encontrada na manhã do dia 3 de novembro, na comunidade Parque Mauá, bairro Mauazinho, Zona Leste de Manaus. Os restos mortais foram encontrados por familiares de Débora, na mesma área em que o corpo da jovem de 18 anos, grávida de oito meses.

No dia do encontro do corpo da Débora, no início de agosto deste ano, um osso pequeno, redondo, semelhante a um crânio, também foi encontrado, mas os peritos não confirmaram que se tratava de um crânio de uma criança na época.

E o Gil Romero?

O réu confesso do crime, Gil Romero, continua preso desde agosto, quando foi capturado na cidade de Curuá, no Oeste do Pará. No mês de novembro, ele passou pela audiência de instrução e aguarda a data para ir a julgamento à Júri Popular.  O comparsa de Gil Romero, José Nilson, também aguarda preso pelo julgamento.

Relembre o caso

O corpo de Débora foi encontrado em uma área da mata na Comunidade Parque Mauá, bairro Mauazinho, na zona Leste da capital. Segundo o Departamento de Polícia Técnico-Científico (DPTC), ela teve o corpo queimado após ter sido colocada dentro de um camburão preto. A vítima também teve os pés cortados e os ossos ficaram expostos por conta das chamas.

Um pano ao redor do pescoço também foi encontrado pelos peritos, o que indica uma possível asfixia.

Por A Crítica

Compartilhe :

WhatsApp
Facebook
Telegram
Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas notícias
Categorias

Subscribe our newsletter

Purus ut praesent facilisi dictumst sollicitudin cubilia ridiculus.