Polícia prende 16 pessoas que participavam de rinha de galo na BR-174

O local onde a rinha funcionava tinha uma grande estrutura e era frequentada por muita gente

Dezesseis pessoas foram presas em flagrante por policiais militares do Batalhão de Policiamento Ambiental, em  uma rinha de galos de briga  que funcionava no ramal Pau Rosa, Km 21, BR 174, zona rural de Manaus. No local, foram apreendidos 80 galos vivos, dois já mortos, 17 celulares e um motoserra.

Segundo o comandante do batalhão, coronel Márcio Leite, a rinha foi desarticulada pelos policiais. “A estrutura da rinha chamou a atenção dos policiais. Era um local bem estruturado com muitos animais e frequentadores”, disse Márcio Leite.

De acordo com informações da assessoria da deputada estadual Joana Darc, que distribui texto sobre a ocorrência, testemunhas afirmaram que os realizadores das rinhas são de Boa Vista (RR) e cobravam 100 reais, por pessoa para a entrada no evento. A aposta mínima, segundo essas pessoas, era de 500 reais, indo para 10 mil a 20 mil reais.  

De acordo com o comandante Márcio Leite, a ação policial aconteceu na manhã de sábado (27), após denúncias via Linha Direta informando que no referido local estava a rinha em pleno funcionamento.

Os policiais do Batalhão de Policiamento Ambiental foram até o local e prenderam dezesseis pessoas envolvidas na rinha de galo. Entre os presentes estava um ex-vereador. Os nomes dos envolvidos foram preservados pela polícia.

No local, os policiais militares apreenderam galos mortos, além a outros feridos, com vestígios de sangue na região das patas, além de variados tipos de apetrechos usados nas rinhas, como materiais cirúrgicos, medicamentos, esporas plásticas, materiais de aposta e três “ringues” nos quais aconteciam as disputas.

Nos celulares apreendidos havia imagens em vídeo de uma briga entre dois galos onde a luta dos dois animais finaliza com um deles caído morto na rinha. 

Os infratores e materialidade foram conduzidos para o 19° DIP, onde foram presentados para os procedimentos

Por A Crítica

Compartilhe :

WhatsApp
Facebook
Telegram
Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *