Racha no PCC: Marcola foi chamado de “delator” por 02 da facção

Unido a dois aliados, Roberto Soriano afirmou que Marcola só pensa em si próprio e que agiu como “delator” ao chamá-lo de “psicopata”

Um dos protagonistas do maior racha na cúpula do Primeiro Comando da Capital (PCC), Roberto Soriano (foto em destaque), o “Tiriça”, uniu-se a aliados para pedir a morte e a expulsão do líder máximo da facção, Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola.

Informações do Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP) dão conta de que, para Soriano, Marcola agiu como um “delator” ao chamá-lo de “psicopata”. Ao emitir o “salve” contra o 01, Tiriça ainda teria argumentado que Marcola “só pensa nele” e é displicente com o comando da organização.

A ordem, no entanto, foi rechaçada pela “sintonia final” – a cúpula – do PCC, que não viu gravidade na fala do líder do PCC e determinou a expulsão de Roberto Soriano e aliados por “traição” e calúnia.

Motivo da discórdia, o diálogo foi gravado entre Marcola e policiais penais federais, na Penitenciária Federal de Porto Velho (RO). A declaração acabou usada por promotores durante o julgamento de Roberto Soriano.

Assassinato de psicóloga

O criminoso, que cumpre pena atualmente na Penitenciária Federal de Brasília, junto a Marcola e outros líderes do PCC, foi condenado a 31 anos e seis meses de prisão, em 2023, por ser o mandante do assassinato da psicóloga Melissa de Almeida Araújo.

A servidora pública trabalhava na penitenciária federal de segurança máxima de Catanduvas (PR) e teria sido vista pelos criminosos como um “alvo fácil”.

O crime, cometido em 2017, seria uma ação do PCC contra o rigor do regime adotado no Sistema Penitenciário Federal (SPF). Segundo as investigações, a facção considera que os presos sofrem “opressão” do Estado, pelo fato de o esquema de segurança não prever visitas íntimas e de o contato com advogados e parentes ser estritamente por meio de parlatório, o que não favorece a entrada de drogas, celulares e, sobretudo, a entrega de bilhetes nas prisões.

Gravação

Como divulgado com exclusividade pela coluna Na Mira, a primeira conversa ocorreu em junho de 2022. Na ocasião, Marcola falou sobre a “imagem” que as pessoas têm dele. Camacho chegou a dizer que não é um “cara bonzinho”, mas “perigoso de verdade”. Porém, destacou não ser a favor da “violência gratuita”.

Marcola continuou a fala afirmando não ser da “política” dele matar agentes penitenciários. Contudo, disse que alguns faccionados foram executados por determinação dele, “mas por outras circunstâncias”. O preso emendou alegando que “era espancado” na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau (SP), a 600 km da capital paulista, onde cumpriu pena antes de dar entrada no sistema federal. Também reforçou que, no SPF, “sempre foi respeitado por todos os agentes”. O 01 do PCC desabafou, ainda, sobre a suspeita de mandar matar servidores e alegou que “poderia se tornar um psicopata desses igual ao Soriano” e que “não é isso”, pois “não é da natureza” dele.

Usada no tribunal, a declaração de Marcola teria sido interpretada por Soriano como uma espécie de delação. O então 02 teria se unido a Abel Pacheco de Andrade, o “Vida Loka”, e a Wanderson Nilton de Paula Lima, o “Andinho”, também presos em Brasília, para pedir, por meio do chamado “salve”, a morte e a expulsão de Marcola do PCC.

“Ala Terrorista”

Roberto Soriano é visto como o cabeça da “Ala Terrorista do PCC” – grupo radical que coordena a morte de autoridades. A coluna Na Mira apurou que a facção oferece auxílio mensal aos assassinos de policiais e que o valor pode chegar a R$ 5 mil.

Há mais de 10 anos cumprindo pena no SPF, Tiriça foi transferido, em 2012, da Penitenciária Regional de Presidente Venceslau para a Penitenciária Federal de Porto Velho (RO).

As autoridades o consideram um criminoso de altíssima periculosidade, com grande poder financeiro e planos de fuga. Os investigadores chegaram a encontrar bilhetes escritos por Soriano, quando ele ainda estava preso em São Paulo, com determinações para o assassinato de policiais da Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), da Polícia Militar do estado (PMSP).

Por Metrópoles

Compartilhe :

WhatsApp
Facebook
Telegram
Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas notícias
Categorias

Subscribe our newsletter

Purus ut praesent facilisi dictumst sollicitudin cubilia ridiculus.