Em jogo de estreia do Amazonas na Série B, Sport Recife vence e faz a festa na Arena da Amazônia

Onça-Pintada agora se prepara para encarar o CRB no estádio Rei Pelé, em Alagoas

A Arena da Amazônia recebeu na tarde deste sábado (20) Amazonas e Sport Recife, jogo que valeu para o time a primeira partida do clube na estreia da Série B do Brasileiro. O jogo terminou em 3 a 2 para o clube pernambucano. Romarinho, Gustavo Coutinho e Luciano Castán marcaram para o Leão da Ilha. Matheusinho e Jô marcaram para a Onça.

Agora o Amazonas vira a chave e volta todas as suas atenções para o CRB-AL, no próximo sábado (27), no estádio Rei Pelé. Já o Sport vai receber na Arena Pernambuco a equipe do Vila Nova.

O primeiro tempo do Amazonas na Serie B não foi bom: a equipe teve muitas dificuldades de criação de jogo e viu suas válvulas de escape ficarem encaixotadas na marcação do Sport. William Barbio, Diego Torres e Sassá fizeram uma primeira etapa discreta, enquanto Igor Bolt – recém chegado – foi o destaque ofensivo com velocidade e tentativa de criação.

Logo aos três minutos o primeiro lance de perigo. Pedro Lima fez bom lançamento para Gustavo Coutinho, o camisa 9 do Leão avançou e bateu cruzado com o perigo, mas para fora. No lance seguinte, a resposta aurinegra. Igor Bolt lança para a área e William Barbio cabecea com perigo. No entanto, a jogada acabou anulada por impedimento de Barbio.

O Sport seguiu melhor em campo. Aos 10 minutos, Romarinho recebe ótimo passe de Fabrício Dominguez. O camisa 11 limpou a jogada e bateu forte, mas Edson Mardden fez boa defesa. 

O Sport seguiu rondando a área do Amazonas, que preso, não tinha saída de bola adequada e quase sempre apostou nos chutões. Aos 17 minutos, outra boa chance dos pernambucanos. Pedro Lima descolou bom cruzamento e Romarinho cabeceou com perigo, mas para fora.

Aos 19, outra chance do Leão. Romarinho novamente, aproveitou saída de bola errada do Amazonas e bateu forte com perigo: a bola tirou tinta da trave. 

O Sport chegou mais duas vezes com chutes de fora da área. Titi Ortiz, um belo chute, mas que foi para fora e com Felipe que bateu forte, Mardden espalmou e no rebote, Gustavo Coutinho cabecou para fora.

Água mole em pedra dura…

No ditado, o ensinamento que fica é de que de tanto tentar, você consegue alcançar o objetivo. Para o Sport fez sentido. Aos 30 minutos o gol. Barletta fez boa jogada individual e cruzou em direção ao gol, Mardden não conseguiu encaixar e no rebote Romarinho – que já havia tentado duas vezes – aproveitou a sobra e abriu o placar. 

Após o gol, o Sport chegou ainda mais uma vez. Aos 37, Barletta cobra escanteio e Castán, livre, manda por cima do gol.

Comemoração e frustração

Aos 40, um lance que inflamou a torcida do Amazonas. Igor Bolt levantou bola na área e o árbitro viu pênalti de Felipinho em Patric. A euforia do pênalti logo virou apreensão quando o VAR pediu para analisar, e na sequência chamou o árbitro Wagner da Silva Magalhães, que ao analisar o lance voltou atrás e desmarcou a penalidade.

Mudança de postura e banho de água fria

Na volta do intervalo o Amazonas fez os primeiros minutos tentando jogar em cima do Sport. A equipe rondou, rondou a área leonina, mas não conseguiu finalizar a gol. 

Já o Sport respondeu com bola na rede. Aos 5 minutos, Romarinho dominou a bola no campo de defesa limpou o marcador e avançou com ela até a linha do meio campo, de lá, descolou um lindo passe rasteiro para Gustavo Coutinho que sozinho partiu em velocidade e com tempo para escolher o canto onde ia finalizar, descolou Edson Mardden. 2 a 0 Sport.

O Amazonas reagiu após o segundo gol e viu o Sport recuar suas linhas de marcação. Matheusinho que havia acabado de entrar na partida assustou o Leão. Aos 17, ele limpou a marcação e bateu com perigo por cima do gol. Mas aos 21, o gol amazonense, o primeiro da Série B.

Matheusinho fez ótima jogada individual, serviu Ênio, que deu belo passe para o atacante que finalizou firme, cruzado, sem chances para Caíque França.

Mas a Onça nem teve tempo para comemorar, aos 23, Romarinho sofreu falta no lado intermediário esquerdo de ataque. Felipinho cobrou e no meio da área encontrou Luciano Castán, que testou firme aumentando a vantagem para 3 a 1. 

A partida esfriou com chances isoladas para os dois times. Aos 36, o Amazonas chegou a balançar as redes com Jô, mas o gol foi invalidado por impedimento do atacante.

Aos 45 o gol da esperança. Matheusinho descola ótima cavadinha para Bruno Lopes: ele escora para Jô que, com extrema categoria limpa o zagueiro e o goleiro e diminui o placar. Contudo, mesmo com o gol, o Amazonas não teve forças para reagir.

Por A Crítica

Compartilhe :

WhatsApp
Facebook
Telegram
Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *